Untitled Document
ss
 
 
s

Untitled Document

 
 
 
Untitled Document
27ª Bienal
Reconstrução
 
 

Seminário da Bienal
propõe  a reconstrução da ética  e da subjetividade,
a humanização das relações sociais
e a integração entre arte e ação.
(leia mais)

 

Cartaz
vencedor da
27ª Bienal

É criação do argentino Jorge Macchi o próximo cartaz a representar a 27ª Bienal Internacional de São Paulo. Sua proposta destacou-se por
expressar o conceito
da mostra, cujo tema Como Viver Junto está sugerido no cartaz vencedor.
O cartaz é composto
por recortes de
vários artigos de jornais
e revistas, sem texto, fotografados dentro
de uma caixa de vidro.
 
Do moderno ao contemporâneo
Professores, estudantes e críticos de arte discutem, de 7 a 9 de junho, no IA da Unicamp,em
Campinas, questões ligadas à transição
do moderno ao contemporâneo
 

História
das Bienais

A Bienal Internacional de São Paulo de 2004, arrastou para o Ibirapuera cerca de 950 mil pessoas, vindas dos mais diferentes rincões do País. Trezentas mil a mais que a bienal de 2002. Mas apesar das bienais constituírem o maior evento cultural do país, poucos discutem sua validade. A grande massa de interessados prepara-se,sem muito critério, para acompanhar esse grande espetáculo. A antropóloga Rita Alves reconstituiu
os caminhos das bienais
num estudo que será publicado aqui em
seis edições.
(leia mais)

 
Olha a Bola presta homenagem
ao futebol-arte, mas faz crítica
à crise política
(leia mais)

 

Untitled Document

Livio educador

 

Arte e educação:
atividades inseparáveis

                   A historiadora Ilsa Kawall defende no trabalho de pesquisa que realizou na Universidade de São Paulo sobre Livio Abramo, em 1983, que para se compreender a importância do reconhecido gravador na formação de inúmeros artistas brasileiros é necessário refletir sobre suas atividades como educador: inicialmente, na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo, de 1953 até 1962; no Estúdio Gravura criado em 1960, e a partir de 1962, em Assunção, no Paraguai, para onde se dirigiu, atendendo a convite da Missão Cultural Brasil-Paraguai.
                   Livio assumiu o curso de Gravura da Escola de Artesanato do MAM , localizada na Praça da Consolação – hoje Praça Roosevelt -  ao lado de outros profissionais das áreas de Cerâmica e Artes Gráficas, Desenho e História da Arte, cursos também mantidos pela escola. As instalações eram simples, afirma Ilsa Kawall, mas havia o essencial.  Os alunos participavam das aulas e frequentemente saiam juntos para ver exposições no Museu de Arte Moderna, localizado na época na rua 7 de Abril. Funcionava como um centro cultural, conforme observa a pesquisadora, onde o trabalho artesanal e artístico se somavam às atividades culturais produzindo um ambiente estimulante .Os alunos recebiam além de aulas práticas, conhecimento sobre a História da Arte, ministradas por Wolfgang Pfeiffer.
                   Foram alunos de Livio Abramo, Ismênia Coaracy
( ler matéria), Betty Richard, Dorothy Bastos, Savério Castellano, Antonio Henrique Amaral, Braz Dias, José Cláudio, Maria Bonomi, e a própria Ilza Kawall, entre outros. Alguns permaneceram como  gravadores, outros foram para áreas diferentes.
                   A experiência na escolinha, como era comumente chamada, durou até 1959, quando o Museu de Arte Moderna foi transferido para o Parque do Ibirapuera, e os alunos e professores negaram-se a aceitar a transferência da Escola de Artesanato para aquele mesmo local. Assim sendo, a diretoria da escola suspendeu as atividades da Escolinha e demitiu seus dois principais professores : Livio e Wolfgang Pfeiffer .


                   Na década de 60 o Estúdio Gravura


                   Em 1960, Livio criou o Estúdio Gravura juntamente com Maria Bonomi. Nessa fase, conforme cita Ilsa Kawall, o estúdio propunha um trabalho mais completo em torno do ensino da gravura, não mais somente em madeira, mas também em metal, atualizando métodos e técnicas dessa linguagem. O objetivo do estúdio, segundo a pesquisadora, era " promover a divulgação e a penetração dos produtos da arte da gravura sob a forma de estampas evocativas, lúdicas e artísticas, etc., no interesse de atingir um público mais amplo”, não só para artistas .

                  Participam do Estúdio nomes como Moacyr Rocha, Zita, Miriam Chiaverini, Anésia Pacheco Chaves, Sheila Braningan, Clélia Cotrim , Camila Cerqueira César e outros.
                  Livio Abramo aglutinou em torno do estúdio novos professores e colaboradores como forma de solidificar seu projeto. Era um professor exigente, orientava os alunos para o conhecimento dos materiais a serem trabalhados e para a discussão de todo o processo, até à impressão, que era feita em papel de arroz.
Levava convidados para conversar com alunos, passava slides, dava aulas de história da arte, enfim, seguia com seu projeto de criar um grande centro de reflexão e prática da arteda gravura. O projeto dura pouco tempo, de 1960 a 1962 por insuficiência de recursos financeiros para pagar, segundo o próprio Livio afirma - no documentário Livio Abramo, Sempre -, as despesas mais elementares do estúdio, como aluguel, luz,et                   No ano seguinte, Livio já estaria embarcando de mala e cuia para o Paraguai e lá ficaria até a sua morte ocorrida em 1992.
                  Para o artista Nuno Ramos, que teve a oportunidade de conhecer os locais de convivência de Livio no Paragay, a atuação do artista brasileiro naquele país pode-se comparar a de Mario de Andrade no Brasil: pelo seu espírito de pesquisa e de revalorização de objetos, lugares e conceitos.Opiniões semelhantes são compartilhadas por artistas paraguaios, entre eles, Olga Blinder e pelo historiador de arte Ticio Escobar, em depoimento ao documentário Livio Abramo, Sempre.

 

Ilsa Kawall
artista, pesquisadora e
curadora


       Ilsa Kawall Leal Ferreira
(1932) é autora da tese
Livio Abramo, defendida na Escola de Comunicações da Universidade de São Paulo, em 1983, sob orientação do professor Wolfgang Pfeiffer. Foi gravadora, aluna de Livio Abramo na “escolinha” do MAM, e participou de inúmeros salões nos anos 50 e 60 em São Paulo e Rio de Janeiro, mas destacou-se por ter promovido nas décadas seguintes,uma série de atividades de incentivo à gravura.

 

        Foi diretora do Centro Cultural São Paulo e curadora do Museu de Arte Moderna de São Paulo.
        Em 1983, a historiadora reuniu em São Paulo, trabalhos de diversos artistas -gravadores que produziram ilustrações para livros. Destacando-se as ilustrações de Livio Abramo para o livro Pelo Sertão, de Afonso Arinos: as xilos de Lasar Segall para o álbum Mangue: as serigrafias de Di Cavalcanti

para Morte de Quincas Berro D´Àgua de Jorge Amado: águas-fortes de Portinari para Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis; linóleo de Carlos Scliar para Les Chemins de La Faim,de Jorge Amado; litografia de João Câmara Filho para o livro Seis Cantos do Paraíso, de Dante Alighieri;
água-forte de Tomás Santa Rosa para  Espumas Flutuantes, de Castro Alves e outros.
      Hoje, com quase 80 anos e afastada das atividades, Ilsa Kawall   carrega ao mesmo tempo o orgulho de ter sido autora da primeira tese acadêmica defendida sobre Livio Abramo e a frustração de nunca ter conseguido publicá-la.

 

Voltar ao topo

Untitled Document
Picasso

Paixão e Erotismo
mostra itinerante

Desde final de abril, 92 gravuras de Picasso, entre elas Jacqueline aux chaveux flous estão sendo exibidas ao público brasileiro como parte de um projeto do Circuito Cultural Banco do Brasil. Pablo Picasso: Paixão e Erotismo. A mostra deve passar por cinco  capitais brasileiras além de Brasília, Distrito Federal, onde se encontra atualmente. Estão fora desse circuito São Paulo e Rio de Janeiro (leia mais).

 
A Gravura de Picasso
Na mostra itinerante organizada pelo Circuito Cultural Banco do Brasil,  Picasso comprova que tratou a gravura com a mesma paixão que suas telas. Só de uma mesma série, ele produziu 347 gravuras (leia mais).
 
Marcelo Grassmann


Cavaleiros de armaduras medievais, lanças, homens e mulheres misteriosos, meio gente meio bicho: como o próprio artista explica “há uma mistura de visões, interesses e de influências”. Seus 80 anos, são comemorados com  três mostras em São Paulo, duas até final de junho (leia mais).


Tradição e
Desconstrução


No texto Marcelo Grassmann: tradição
e desconstrução, a historiadora Priscilla Rufinoni mostra que os seres imaginários  que convivem com o artista
de longa data, não
são sempre os mesmos. São reinventados
à luz de novas experimentações individuais. (leia mais).

 
Fayga Ostrower
A cor na gravura


Fayga Ostrower conheceu o trabalho
de Käthe Kollwitz, era muito amiga de Livio Abramo, mas seguiu o próprio caminho marcado
 pela pesquisa criativa e diversificada no
campo artístico e pela atividade teórica.
(leia mais)

 
Processos poéticos
nas gravuras
de Segall


Trabalho de pesquisa
e recuperação
de obras
 do artista exibem
gravuras
 inéditas como “O Baile”
e revelam processo
criativo de Segall .
(leia mais)

 

Documento
“De Goeldi ao Abstracionismo”

 
Livio Educador

Ilsa Kawall Leal Ferreira, foi uma das primeiras pesquisadoras a reunir numa tese, as várias atividades de Livio Abramo, como artista e educador (leia mais).

 
“Aprender com Livio
 era compartilhar
 sua arte”

Ismênia Coaracy
aluna de Livio Abramo na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna, em 1953.(leia mais)

 
Livio no Paraguai

Para boa parte dos críticos, Livio Abramo atingiu a maturidade artística no Paraguai, onde escolheu as paisagens, a arquitetura dos séculos 18 e 19 , pueblos e plazas como seu repertório preferencial.(leia mais)

 

 

 

Untitled Document