Untitled Document
 
 

Untitled Document

 
 
Untitled Document
s
 

 

 
         
 

   
 
 
s

Untitled Document
 
     
 

Untitled Document

Agenda de Dezembro

 


Cartazes das
Bienais
dos anos 50

Artistas ligados
 aos cursos de artes gráficas criados pelo
Instituto de Arte
Contemporânea do Masp - o IAC -  criam os primeiros Cartazes das Bienais
Heloísa Dallari

 

História das Bienais

A Vez dos Curadores
Na Parte 5 do ensaio
História das Bienais, a antropóloga Rita de Cássia Alves Oliveira mostra o surgimento da figura poderosa dos curadores das bienais.

 

Acre,
último seminário
da 27ª Biena
l



As questões sociais dos
indígenas e seringueiros
foram a tônica do
Seminário Acre

 

No Centro Universitário
Maria Antonia
prepare-se para ouvir
John Cage

Untitled Document
Especial 27ª Bienal

Quando o acesso à Bienal
ultrapassa a
 linha do espaço físico

Tudo indica que esta Bienal não deve ultrapassar o recorde de visitas registrado em 2004, de cerca de um milhão de visitantes. Faltando pouco mais de três semanas para o encerramento desta Bienal, a quantidade registrada ainda não chegou nos 400 mil  (350 mil até 15 de novembro). Entretanto, essa nunca foi a preocupação da curadora Lisette Lagnado. Qualidade e ampliação do acesso às camadas mais populares, marginalizadas dos circuitos culturais são as questões centrais desta Bienal. Diante desses resultados, ainda não conclusivos, é bem verdade, algumas reflexões já podem ser levantadas. A gratuidade aliada às ações educativas, a formulação de conceitos amplamente discutidos através de seminários, são iniciativas importantes, mas revelam-se ainda insuficientes para garantir acessibilidade integral do público.

 

Os artistas e seus trabalhos


detalhe da instalação de Thomas Hirschhorn

Nada é sem sentido nesta Bienal.  Esculturas, pinturas, performances, vídeos, fotografias, colagens ,instalações, pedras, madeiras e demais objetos produzidos por 119 artistas de 51 países, estão dispostos de acordo com conceitos que buscam a convivência e a integração entre arte e vida.
Conheça um pouco de cada artista e de seus trabalhos

 

s

Adel Abdessemed

(1971) - nascido em Constantine, vive e trabalha em Paris
O artista multimídia Adel Abdessemed utiliza linguagem e formas muito diferentes, que podem ser vistos em seus vídeos e instalações murais. O uso de tão diversos materiais e ferramentas reflete em seu trabalho um mundo caótico. Seu trabalho questiona os limites sociais, políticos e culturais tanto nas sociedades muçulmanas quanto nasocidentais. Sem impor seu próprio ponto de vista, os trabalhos de Abdessemed sempre propõem uma reflexão sobre a natureza humana. “Não estamos num mundo puro e higiênico. Com a era global, estamos no centro de um ciclone, afogando-nos”, diz. Abdessemed já realizou vídeo-instalações e trabalhos gráficos. O artista participou de duas mostras individuais: Holiday – God is Infinity, em 2005 na Galerie Kamel Mennour, em Paris; Habibi, na FRAC Champagne Ardenne, em Reims e Le Citron et le Lait, no MAMCO, em Genebra. Filme/Vídeo + Escultura – Schnell (vídeo exibido em tela de televisão de plasma); Wall Drawing (nove esculturas (arames) na parede);
(video - novo trabalho).

s

s

Ahlam  Shili

(1970) - nascida em Arab al-Shibli, vive e trabalha em Haifa
A fotógrafa, forçada a deixar sua terra natal pelas tropas israelenses, mostrou em seus trabalhos anteriores as condições de vida do povo palestino, evitando qualquer forma de estetização e drama em fotografias simples e silenciosas.
Ahlam Shibli já teve as seguintes mostras individuais: Trackers, no Kunsthalle, na Basiléia; Lost Time, na Ikon Gallery de Birmingham. Também já participou das bienais de Busan, em 2006, e Istambul, em 2005.
Fotografia – Market (16 fotografias); Eastern LGBT No 1-40 (novo trabalho - 37
fotografias com gays, transsexuais e transgêneres emigrados de países
asiáticos e muçulmanos).

s

s

Alberto Baraya – artista residente

(1968) - nascido em Bogotá, vive e trabalha em Bogotá
Nos últimos anos, Baraya continuamente explorou a atenção dada ao exotismo na era do turismo global e aos processos que substituem a natureza através de construções falsas e artificiais. Como parte de sua contribuição
a Como Viver Junto, o artista foi residente no estado do Acre.
O artista residente teve as seguintes mostras individuais: 1204 tr/h na Alianza Colombo Francesa, de Bogotá, o Herbário de Plantas Artificiais, no Museu de Arte Moderno de Bogotá, e Miraque teas de morir, Miraque no sabes qvando, na Sala Oriente, de Sevilha. Instalação + Escultura – Árbol de Caucho (árvore de látex de 20 metros feita pelo artista durante sua residência em Rio Branco. Será apresentada horizontalmente); Herbário de Plantas Artificiais; Herbário de Plantas Artificiais ACRE (esculturas).

Veja mais artistas
s

 

 

 

Untitled Document